Acompanhe a coletiva completa com a Promotora Rosana Cordovil sobre o caso da morte do empresário João de Deus dentro de uma boate em Belém, em 27 de fevereiro de 2015.

Segundo as investigações do Ministério Público do Pará, a vítima veio a óbito após consumir a droga sintética GHB, conhecida no mundo das drogas como ‘gota’. A substância foi comprada e consumida dentro de uma boate da capital paraense. No entendimento do MPPA, Jeferson Sampaio, acusado de homicídio qualificado, teria o conhecimento de que a quantidade vendida para João de Deus era letal.

Jeferson Michel Miranda Sampaio teve a prisão preventiva decretada ontem (19). O acusado se apresentou à polícia.

(RBA TV)

Deixe uma resposta